28 fevereiro 2011

Projeto de Lei da Delação Premiada - RJ



Após a mais séria crise na segurança nos seus quatro anos e dois meses de gestão, o secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, quer dar a volta por cima aplicando mais um golpe na banda podre das polícias do estado. Aproveitando o rescaldo da operação Guilhotina - um esforço integrado da secretaria de Segurança, Polícia Federal e Ministério Público, na qual 46 pessoas foram denunciadas, entre elas 32 policiais civis e militares -, Beltrame anuncia o seu alvo: quebrar a estrutura do crime dentro das polícias. A primeira cartada é o projeto de lei assinado pelo governador Sérgio Cabral, esta semana, criando a delação premiada na esfera administrativa, ou seja, o servidor que denunciar seus cúmplices vai se beneficiar da lei, não sendo demitido. 

A proposta pode gerar polêmica, mas Beltrame disse que é uma tentativa inédita para estimular os policiais com desvio de conduta a confessar suas infrações e denunciar as de integrantes de seu grupo. No processo penal, quem colabora com as investigações e confessa o crime pode ter sua pena reduzida com a utilização da delação premiada na esfera criminal. Nos processos administrativos, o servidor que comete desvios de conduta e decide ajudar no curso da investigação, ainda não recebe nenhum tipo de benefício, mesmo que conte os ilícitos de seus colegas. A mensagem do governador deve seguir amanhã para a Assembleia Legislativa. 

- O pedido de delação premiada surgiu de uma conversa aqui na secretaria. Uma pessoa que está sendo investigada hoje corre o risco de perder o emprego. Dependendo de cada caso, é claro, ela poderá, deliberadamente, solicitar a delação premiada e, talvez, não perca o emprego, mas parte do salário e de benefícios. São tentativas que a gente tem que fazer para trazer as pessoas para o lado do bem. Se o policial foi indiciado num processo administrativo e quer ajudar, por que não lhe oferecer o benefício? - pergunta o secretário. 
Na opinião de Beltrame, embora o benefício se estenda a todos os servidores, a medida foi pensada e cai como uma luva para os policiais com desvios de conduta. No momento, o que o secretário mais quer é fortalecer as corregedorias internas das polícias Civil e Militar criando mecanismos que auxiliem nas investigações. O secretário não esconde a indignação quando lembra o diálogo entre policiais que estavam sendo monitorados pela PF, por meio de escutas autorizadas pela Justiça, que definem a operação do Complexo de Alemão como um garimpo de Serra Pelada. 
- Foi muito difícil estar trabalhando para consolidar a paz no Alemão e receber informações de desvios de conduta de alguns policiais. Optei pela pacificação dos complexos da Penha e do Alemão primeiro. Pensei: as informações sobre os desvios de conduta estão sendo armazenadas e investigadas, lá na frente, com certeza, a gente vai pegar eles - lembrou. 
A parte jurídica da mensagem que chega amanhã à Alerj foi elaborada pelo secretário-chefe da Casa Civil, Régis Fichtner. Ele explica que, pelo projeto de lei, o servidor público indiciado num processo administrativo disciplinar e que quiser colaborar pode ganhar uma punição menos grave. Se ele apresentar novos cúmplices ou provas relevantes ganha o benefício. 

- As punições para quem cometer desvios vão da advertência à demissão do serviço público ou até a cassação da aposentadoria. Quando o servidor resolve colaborar, ele pode não ser demitido e ganhar uma suspensão ou ter a aposentadoria reduzida - explicou Régis, que defende o projeto lembrando que as pessoas podem se regenerar. - Alguém que comete um crime tem direito de voltar ao convívio em sociedade. Alguém que comete um desvio de conduta não é digno de permanecer no serviço público, quando se arrepende? 
O combate a corrupção nas polícias não fica só no projeto de lei sobre a delação premiada. Beltrame cita também o projeto que enviou para análise da Secretaria de Planejamento que autoriza a secretaria a investigar a evolução patrimonial dos policiais para descobrir se os bens são compatíveis com a renda dos servidores: 

- Trata-se de uma ferramenta para se usar com critério. Existindo um procedimento legal instaurado, a investigação é feita se houver necessidade. O fato de fazer a sindicância não quer dizer que o policial praticou o crime. É importante ressaltar que vários fatores podem influenciar, caso ele tenha um padrão de vida elevado, tais como: o complemento do salário da esposa, ou mesmo o recebimento de uma herança. O levantamento patrimonial é apenas o elo num processo de investigação. 
No início do mês, Beltrame alterou o organograma da secretaria, criando a Superintendência da Contrainteligência, subordinada à Subsecretaria de Inteligência. Depois de analisar as informações de setores de inteligência de outros órgãos, o subsecretário vai repassar os casos para a Contrainteligência. Segundo o secretário, esta ficará encarregada de fundamentar a denúncia. Posteriormente, caberá à Corregedoria Geral Unificada (CGU) e às corregedorias das polícias Civil e Militar investigar os desvios. 

- Com as modificações, fizemos uma estrutura onde a corregedoria está preparada para instaurar procedimentos. Agora, as corregedorias vão ser proativas, ou seja, agir antes de o desvio acontecer. As corregedorias eram reativas, mesmo assim, pusemos 800 policiais que eram milicianos na rua. Nós queremos nos antecipar e pegá-los antes - explicou Beltrame. 

Outra novidade contra as milícias é que a Delegacia de Repressão ás Ações Criminosas Organizadas (Draco) se transformou em delegacia legal, cujo primeiro trabalho será destrinchar o processo originado pela Operação Guilhotina. 

- A Draco vai tocar os inquéritos sempre de uma maneira impessoal, criteriosa, menos espetacular possível, pois não podemos julgar ninguém antecipadamente. É uma nova etapa para o combater à corrupção - assegurou Beltrame.

Fonte: O Globo

23 fevereiro 2011

Rocky Balboa seria um Federal


Pessoal, dica pra dar um gas na corrida: Coloca a musiquinha do Rocky Balboa na reta final. Sabe aquela que vc tem certesa que não tem mais nem uma molécula de oxigênio no seu pulmão...então, é ela. Garanto que vc vai lembrar daquela escadaria e do russo branquelo e vai correr mais umas léguas rsrsrssr.


Nem vem me falar que é barango que eu sei que muitos de vcs fazem isso tá. 


Outra dica pros treinos é correr ao som de Rage Aginst The Machine, Ramstain, Sabaton e Chrome Division...mto bom!
MPB é bom, mas pelo amor de jesus, nada de correr ouvindo Maria Gadú!


E vamo que vamo gente...

Um Policial Federal SÓ não faz serão!

Em pleno Rio Solimões, corredor para entrada de drogas no Brasil, no município de Santo Antônio do Içá, a mil quilômetros de Manaus (AM), a Base Garateia, da Polícia Federal, está quase ao abandono.
Na última semana, apenas um policial federal estava em serviço na base que, pelo menos em tese, deveria ser um ponto de contenção da rota de drogas, provenientes principalmente do Peru.
 Números obtidos pela Federação Nacional dos Policiais Federais mostram que 40% do crack consumido no Brasil é trazido do Peru, pela Amazônia. Quadrilhas de traficantes têm no Rio Solimões uma rota para droga que irá abastecer os grandes centros urbanos do país. Calcula-se que hoje já são cerca de 1,8 milhão de brasileiros usuários da droga, o que permite estimar o volume de consumo diário próximo de 4 toneladas de crack. Por este cálculo, todos os dias, quase 2 toneladas de crack passariam pelos rios e estradas da Amazônia.
 Há anos, sucessivas direções da PF têm colocado em segundo plano a repressão ao tráfico de drogas nas fronteiras do país, em prol de uma política que prioriza as chamada grandes operações com repercussão garantida na mídia. Contudo, em muitos casos, com pouca eficácia do ponto de vista da condenação de acusados.
Placa de Parada Obrigatória - Base de Garatéia
 O descaso com a contenção do tráfico de drogas nas fronteiras é tão grave que a “Operação Cobra”, que por muito tempo foi a principal ação coordenada dos federais, na Região Norte, contra os traficantes hoje está parada. Em Tabatinga (AM), que foi uma das principais bases da “Cobra”, hoje a única referência visível à operação policial permanente é uma placa jogada em um depósito de sucata. 
Placa da Operação Cobra no lixo
 Sem colocar em prática ações de combate ao tráfico, a Polícia Federal trata sua própria estrutura com descaso. A Base Garateia é um exemplo concreto.
Construída para substituir a Base Anzol, fechada por falta de condições mínimas de trabalho para os policiais, a Garateia conta com um único policial federal, que não pode fazer praticamente nada sozinho, ao longo das centenas de quilômetros de rio. Com ele, apenas mais três policiais militares também tentam fazer frente ao crime. Igualmente, o número de policiais é inexpressivo diante do desafio de barrar traficantes e guerrilheiros das Farc, que não raro invadem o território brasileiro.
Base de Tabatinga (vulgo Tababomba)
 Mesmo que quisesse pegar sua pistola Glock e um fuzil e sair feito um Rambo, pelo Rio Solimões ou pelo labirinto de igarapés na imensidão da Floresta Amazônica, à caça de traficantes, o policial federal teria que usar uma embarcação que não oferece nenhuma condição de trabalho e segurança.
Policia Militar - AM
 As duas únicas lanchas ancoradas na base foram apreendidas e não estão adaptadas para o trabalho policial. Além disso, não há coletes balísticos, nem coletes salva-vidas, muito menos telefone celular ou rádio, que permita contato permanente entre o policial e a delegacia da PF mais próxima, em Tabatinga, distante a cerca de 9 horas de barco da base.
No mesmo estado do Amazonas, há três meses, quando usavam uma embarcação bem parecida com as que estão na Base Garateia, dois policiais federais foram mortos e um ferido por traficantes de cocaína.
Na última segunda-feira, dia 21, a presidenta Dilma Rousseff voltou a reforçar a necessidade de um combate efetivo ao tráfico de drogas nas fronteiras. A presidente ressaltou que o “Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e outras Drogas” prevê a ampliação do combate ao tráfico, especialmente nas fronteiras do país. “Vamos atrás do traficante internacional e, ao mesmo tempo, vamos agir para acabar com o pequeno tráfico”, disse.
Há quase uma década, a Federação Nacional dos Policiais Federais vem alertando para a necessidade do fortalecimento da Polícia Federal nas fronteiras do Brasil para o efetivo combate ao tráfico de drogas, de armas e outros crimes. No ano passado, os policiais propuseram a criação do cargo de Oficial de Polícia Federal para a execução do papel de polícia administrativa e coordenação das operações de combate ao crime.
“A cada vez que vamos a Amazônia visitar nossos colegas, em delegacias e bases da PF, nos deparamos com uma situação pior”, revela Francisco Sabino, Diretor de Relações do Trabalho da Fenapef. Ele ressalta que o sucateamento da Polícia Federal na Amazônia é evidente. “Não temos efetivo, não temos equipamentos adequados, não temos política de combate aos traficantes. Hoje o enfrentamento ao crime só acontece em razão do voluntarismo e bravura dos federais”, diz.
Flagrante de Crime Ambiental - Castanheira Imune a corte
Sabino lembra que o último diretor geral da PF, o delegado Luiz Fernando Correa, elegeu a Amazônia como uma de suas prioridades. “Desde então, bases foram desativadas, equipamentos estão sucateados, colegas perderam a vida e os traficantes de drogas avançam. Imagine se a Amazônia não fosse prioridade?”, questiona Sabino.

NOTA DA MARI:
Vale lembrar que:
1º - Tabatinga é na triplice fronteira entre Brasil, Bolívia e Colômbia. 
2º - Todas as bases supracitadas estão no Norte, logo É PRA LÁ QUE VAMOS QUANDO PASSAR.
3º - Os postos avançados são aqueles nos lugares mais esquecidos por Deus como Tabatinga (Tababomba), Oiapoque (Oiapocalipse), Óbidus (Obdusidos), São Gabriel da Cachoeria, entre outros. 


Resumindo...é SELVA! E nesse caso, não é heróico.
Como diz uma frase que vi: Não é necessário vestir a farda pra ser herói, mas precisa ser um herói pra vestir a farda.


Abçs!

Uma Polícia que o povo abomina


Junto a uma sociedade em que se clama por Justiça e que se tem a Policia como arbitrária, corrupta, abusiva e violenta, está entre todas as instituições policiais como exemplo maior de dignidade e disciplina, a figura da Corregedoria da Polícia, espécie de Polícia da Polícia a policiar os atos indevidos, apurando e encaminhando para Justiça os supostos ilícitos penais praticados pelos seus membros. A Corregedoria de Polícia é também o Juízo da Polícia, vez que julga administrativamente os desvios de conduta e as transgressões disciplinares dos componentes da sua instituição.

A Corregedoria de Polícia tem como missão preservar e promover dentre outros, os princípios da legalidade, impessoalidade e moralidade dos atos de gestão, bem como da probidade e responsabilidade dos policiais da sua instituição. No nosso sistema democrático de direito, o bom trabalho da Corregedoria é uma das garantias dos cidadãos de que policiais de má conduta sejam investigados, punidos, advertidos, afastados e enfim, demitidos a bem do serviço público. 

Em contra ponto a tais atributos, o Jornal da Band mostrou nesta sexta-feira, 18/02/2011, um caso de humilhação, aparente abuso, desrespeito aos direitos individuais e constitucionais, no qual Delegados e seus comandados representando a Corregedoria de Polícia Civil de São Paulo, tiraram à força a roupa de uma colega Escrivã depois de algemá-la, em busca de provas que supostamente a incriminariam em corrupção ativa. O fato aconteceu no 25° Distrito Policial em Parelheiros, zona sul de São Paulo em 15/06/2009, mas as imagens filmadas foram mantidas em sigilo e somente agora veio a tona para espanto e repudio de grande parte da sociedade brasileira.

A reportagem televisiva teve acesso com exclusividade às imagens gravadas pela própria Corregedoria da Polícia Civil, que mostram o flagrante dado pelos seus integrantes a um suposto crime de concussão praticado então por uma Escrivã de Polícia. Segundo a denúncia, a policial teria recebido R$ 200,00 para ajudar um suspeito a se livrar de um inquérito policial.

A apuração inicial para comprovar a suposta corrupção com a conseqüente prisão em flagrante delito da Escrivã transcorria normalmente e dentro da legalidade até que um Delegado decidiu que a suspeita teria que ser revistada  e despida a qualquer custo. Usando dos seus preceitos constitucionais, a Escrivã não se recusou a ordem, mas pediu a presença de policiais femininas para a conseqüente revista.

Entretanto, com o acirramento dos ânimos, a emoção sobrepõe a razão e inclusive é dado também voz de prisão por supostos crimes de resistência e desobediência à revoltada policial, que então algemada indevidamente não restou outra alternativa a não ser relutar em força reduzida contra a ilegalidade e da ação despiram brutalmente a sua calça e calcinha, para enfim ser aparentemente encontrado escondido o dinheiro procurado e almejado, objeto material do suposto crime de concussão.

Assim, o que era para se tornar uma prisão de rotina tão comum em atos correcionais nas unidades policiais do país, transformou-se aos olhos de todos, em flagrante desrespeito aos direitos humanos. A cena daquele corpo vencido seminu, obtida de forma violenta, degradante e cruel, mostrou além do constrangimento, o ultraje a uma Constituição cidadã, uma Constituição que zela acima de tudo pelos direitos do cidadão. A cena feriu de morte todos nós cidadãos brasileiros.

Dos fatos geraram administrativamente a exclusão da suspeita dos quadros da Policia civil paulistana e criminalmente um processo ainda está em andamento na Justiça desse Estado por crime de concussão contra a mesma, enquanto que, para os aparentes e possíveis atos abusivos e lesivos praticados pelos policiais da Corregedoria, restou o procedimento arquivado com aval do Ministério Público e do Judiciário.

É comum a imprensa brasileira divulgar imagens de abusos policiais, torturas em presos, maus tratos contra populares e outras tantas cenas não convencionais, contudo, a comprovação de atos abusivos e lesivos praticados por policiais de alguma Corregedoria de Polícia, o órgão policial exemplo, ainda não havia chegado ao conhecimento público.
É ensinamento precípuo que os Juízes e Corregedores em geral devem agir sempre com moderação e circunspecção refletindo e trabalhando com equilíbrio, razoabilidade e proporcionalidade para que os seus atos sejam considerados justos.

A Polícia representa o aparelho repressivo do Estado que tem sua atuação pautada no uso da violência legitima, contudo, quando se fala em violência legítima, se fala em ordem sob a Lei e não sobre a Lei. O chamado Poder de Polícia que possui a força pública é limitado pela própria Lei e não pode ser ultrapassado sob pena de se praticar o abuso previsto com a conseqüente quebra dos direitos constitucionais inerentes do cidadão.

Bem nos ensina a Professora, Jurista e Escritora CRISTINA BUARQUE DE HOLLANDA, ao discorrer na sua obra “O problema do controle da Polícia em contextos de violência extrema”: “Quando as agencias encarregadas de manter a lei e a ordem descambam para a arbitrariedade e para o comportamento desregrado, instalam inconscientemente o risco de instabilidade do Estado, periclitando suas instituições. Por certo que se alguma margem de desvio do universo formal não compromete a normalidade da rotina de funcionamento do Estado, os contextos  de grave disparidade entre desempenho ideal e real das polícias podem alcançar efeitos devastadores de controle 
na dinâmica de legitimação da ordem pública”.

Em verdade a filmagem mostra, além do brutal e inconcebível ato contrário ao nosso regime democrático de direito, um excesso desnecessário dos Delegados e seus comandados correcionais. Comprovaram que todos são despreparados e atrabiliários. Não restaram equilíbrio e razoabilidade na presente ação policial. Afinal a Escrivã só não queria passar pelo constrangimento de ficar nua na frente de homens, um justo direito. Tudo poderia ser resolvido sem maiores prejuízos com a chamada ao feito de uma Delegada e suas agentes policiais para fazer a revista designada e necessária ali mesmo naquela delegacia, ou então conduzirem a Escrivã suspeita até a Corregedoria de Polícia para as medidas legais e pertinentes, o que em absoluto em nada prejudicaria o flagrante.

Medidas devem ser adotadas, administrativamente e judicialmente para que a ordem seja resgatada na Policia civil de São Paulo, sob pena de serem abertos precedentes idênticos nas demais Corregedorias de Policia do Brasil.

(*Delegado de Polícia. Pós-Graduado em Gestão Estratégica de Segurança Pública pela UFS. Exerceu o cargo de Corregedor-Geral de Polícia civil de Sergipe em duas ocasiões) archimedes-marques@bol.com.br

NOTA DA MARI:
É realmente triste. Uma policial corrupta, que poderia pagar pelo crime de receber propina (se é que podemos chamar R$200,00 de propina) para soltar um preso, pode ser julgada injustiçada e receber indenização por que policiais não respeitaram o que há de mais sagrado na sua profissão; a CONSTITUIÇÃO.

É uma pena pois a atitude dela deixa claro que é culpada.

17 fevereiro 2011

Incentivos!

 
Lendo o ultimo post da Mulher na Policia sobre Sangue Novo, Suor e Lagrimas me identifiquei com cada linha, salvadas as diferenças dos perssonagens, a situação é similar.

Vendo os comentários percebi que muitos se econtram, ou ja se encontráram, em situações semelhantes. Quem nunca esteve em uma situação em que queria ter o poder de prever o futuro pra entender onde vai dar isso tudo.

Foi quando me lembrei de um vídeo que recebi de um amigo querido, meu anjo da guarda aspirante a APF onde, ninguem mais, ninguem menos que Stive Jobs fala de seus fracassos e das lições que aprendeu com eles.

Ele faz um discurso fantástico sobre como as respostas para nossas perguntas vem com o tempo. É um discurso muito inteligente, verdadeiro e que me motivou muito quando ouvi a primeira vez.

Pensando nela, que já se tornou mais que querida, e em todos que possam precisar de palavras de incentivo, estou postando o vídeo.  

Espero que gostem!

Bjos!

A Afiada Guilhotina da Policia Federal


A soma dos atos criminosos praticados pelo travestido de polícia, pelo falso policial, pelo policial bandido, pelo traidor da polícia, por aquele cidadão que não honra a sua farda, que não tem orgulho do seu distintivo, além de abrir chagas no seio de toda a instituição policial é, sem sombras de dúvidas, o mais sério e grave problema existente no âmbito da segurança pública, vez que o policial é acima de tudo o guardião das leis penais e real protetor da ordem pública.

A Polícia da Cidade Maravilhosa que tinha caído nos braços do povo brasileiro, reconquistando o apoio popular amplo, geral e irrestrito, quando da ocupação do complexo do Alemão e de tantos outros morros e localidades subseqüentes então dominadas pelos bandidos, desestabilizando em muito o tráfico de drogas não só dessa cidade, como também no próprio país em decorrência do enfraquecimento das facções criminosas, de repente caiu no descrédito, entrou na mesma vala dos criminosos diversos, a partir da Operação Guilhotina desencadeada pela Polícia Federal aliada à Corregedoria da Secretaria da Segurança Publica do Rio de Janeiro.

A troca de informações entre os serviços de inteligência dessas instituições fez o fiel da balança para o sucesso das investigações.

As duas forças policiais do Estado do Rio de Janeiro que são compostas na sua grande maioria de verdadeiros heróis abnegados e que a duras penas trabalham honrando o seu mister, apesar dos salários irrisórios que percebem, agora também passam a pagar pelos atos insanos e criminosos praticados pelos seus componentes corruptos e criminosos

Realmente sérios e incalculáveis danos foram causados à boa imagem dos policiais dignos e heróis, bravos guerreiros do Rio de Janeiro. Não só as suas corporações e instituições foram gravemente atingidas, mas também a polícia brasileira como um todo, pois de tudo o nosso conceito popular voltou a fedentina, voltamos na concepção de boa parte da população brasileira a fazer parte do excremento, do lixo da sociedade em igual posição aos marginais da vida que tanto combatemos.

É deprimente ver um Delegado da Polícia Civil, uma Autoridade policial até então conceituada, sair da posição de destaque que usufruía perante a opinião pública, além de sempre endeusado por grande parte da imprensa, para a condição de preso, e o pior, com a existência de situações muito sérias que o envolve

Deprimente de igual modo é ver dezenas de policiais civis e militares, serem presos por envolvimento com a corrupção e com o crime generalizado.

A Operação Guilhotina foi iniciada a partir de um inquérito policial presidido pela Delegacia de Armas da Polícia Federal, instaurado com o objetivo de descobrir supostas relações promíscuas entre policiais civis e militares com traficantes, envolvendo vendas de armas e drogas, além das constantes extorsões e corrupções praticadas por tais agentes da força pública.

Com o desenrolar da apuração, novos fatos foram aparecendo e grupos distintos passaram a ser investigados por diferentes práticas criminosas.

Ao que parece a investigação está recheada de provas técnicas que não deixa dúvidas da participação dos suspeitos, especialmente por conta de conversas telefônicas gravadas por ordem judicial, razão pela qual a Polícia Federal representou e foram concedidos pela Justiça Criminal do Rio de Janeiro, 45 mandados de prisão preventiva, sendo 11 contra policiais civis e 21 contra policiais militares, além de 48 mandados de busca e apreensão em residências ou locais diversos.

Consta que o Complexo do Alemão, após muitos traficantes serem expulsos da localidade no fim do ano passado pelas forças de segurança, virou a menina dos olhos dos travestidos de Polícia. Segundo a investigação, o chamado “espólio de guerra”, ou seja, armas, munição, drogas, dinheiro e objetos apreendidos dos criminosos que dominavam o conjunto de favelas virou alvo de cobiça. Boa parte do material apreendido passou a ser revendido pelos corruptos policiais a diversos traficantes de outras comunidades.

As investigações indicam que alguns policiais trataram a ocupação do Complexo do Alemão como uma espécie de Serra Pelada, em alusão a região localizada no Estado do Pará famosa pela corrida ao ouro nos anos 80. E assim, muitas escavações foram feitas por diversos policiais nos fundos das casas dos traficantes ou locais estratégicos no intuito de se achar o “ouro”, ou tesouro escondido

Como uma bola de neve, outras tantas podridões de crimes diversos e desvios de condutas foram emergindo do passado e do presente e crescendo para piorar ainda mais a participação de muitos dos investigados. Voltaram a aflorar a questão das máquinas caça-níqueis, das milícias, dos ágios e taxas indevidas cobradas a moradores e comerciantes, da desova de corpos, enfim, da corrupção generalizada que campeia forte entre os travestidos de policia com os criminosos em geral

No íntimo, na vergonha ultrajada, sinto a real comprovação de que o travestido de polícia está na força pública para extorquir, roubar, matar, prevaricar e sempre se proteger atrás do seu distintivo, fazendo dos bons o seu escudo e dividindo com os honestos as críticas pelos seus atos insanos

A ação da Guilhotina da Policia Federal ficará marcada para sempre nos anais da história policial brasileira, como das principais operações e investigações visando o corte da própria carne já realizada, por isso não posso deixar de expressar o meu contentamento, parabenizando a todos pelo sucesso da investigação e o meu místico de tristeza em ver, mais uma vez, a Polícia sendo achincalhada aos quatro cantos do Brasil por conta das ações indignas e insanas dos travestidos de Policia, que um dia serão riscados de vez do nosso meio

Autor: Archimedes Marques (Delegado de Policia no Estado de Sergipe. Pós-Graduado em Gestão Estratégica de Segurança Pública pela UFS

15 fevereiro 2011

A justiça veste preto!


Foto do arquivo pessoal da Mari (Linda né!)

A Polícia Federal em Goiás cumpriu todos os 27 mandados de prisão da Operação Sexto Mandamento, desencadeada nesta terça-feira, que investiga um grupo de extermínio formado por policiais militares do Estado, de diversas patentes. Foram presos coronel, tenente-coronel, major, capitães, tenente, subtenentes, sargento e cabos.

Dentre os investigados, estão Ernesto Roller e Jorcelino Braga, respectivamente ex-secretários de Segurança Pública e da Fazenda de Goiás, ambos na condição de suspeitos pela prática de tráfico de influência, que resultaram nas promoções de patentes de integrantes da organização criminosa. Não foram expedidos mandados judiciais contra os dois.


A operação


A PF cumpriu 19 mandados de prisão preventiva e oito de prisão temporária, além de ordens de busca e apreensão, na capital e no interior de Goiás. A investigação que durou cerca de um ano tem o objetivo de desarticular uma organização criminosa com alto poder de influência e de intimidação. Foram 18 equipes policiais, formadas por 131 federais e 12 militares, atuando no cumprimento dos mandados.

A organização criminosa praticava homicídios e faziam a simulação de que os crimes teriam sido praticados em confrontos com as vítimas (essa é velha né gente). Dentre as mortes, há casos de execução de crianças (Absurdo...Choquei!), adolescentes e mulheres, sem qualquer envolvimento com práticas ilícitas. As investigações demonstraram ainda que outros homicídios foram praticados pelo grupo, inclusive durante o horário de serviço e com uso de viaturas da corporação (PQP!), além da ocultação de cadáveres.

A operação foi denominada Sexto Mandamento, em referência ao decálogo bíblico, cujo sexto mandamento é "não matarás" (Fantástico, Genial!).


Reportagem ao vivo

NOTA DA MARI:

Fala sério gente...to besta! Saber que isso acontece é uma coisa, ter ciência que isso é provocado pelas pessoas que deveriam impedir e punir esse tipo de ação me dói na carne. Juro que meu estômago ta embrulhado com essa notícia.

Esse é o tipo de coisa que eu quero viver pra ver. Ver um animal desse enjaulado é algo que me move e leva pensar em fazer concurso pra Agente. Não gosto da idéia do combate, tenho muito amor à humanidade pra ficar na linha de frente, mas analisando com calma, às vezes me pego pensando no quanto isso realmente pode ser chamado de "humano". A carta magna pode considerar assim, mas eu acho que isso é coisa de outro mundo. Nem bicho não é pq bicho ataca pra se defender ou comer.

Covardes, desumanos, imorais...são uma vergonha pra classe! Tomara que apodreçam  na cadeia. O mundo agradece!

Abçs!

Adepol pede demissão de Beltrame



As investigações da PF e da cúpula da Secretaria de Segurança do Rio contra a Polícia Civil levaram ontem a Adepol (Associação dos Delegados de Polícia) a pedir a demissão do secretário de Segurança, José Mariano Beltrame.

A entidade critica as ações de busca e apreensão feitas sexta-feira na 22ª DP, na Penha, e na 17ª, em São Cristóvão, na operação que investigava desvio de armas e vazamento de informações a traficantes.

"Foi uma invasão desrespeitosa", disse o presidente da Adepol, Wladimir Reale, que chegou a colocar no site da associação informações sobre a carreira de Beltrame.

Ele disse que o secretário, delegado federal, teve a "896ª colocação" em curso da PF, uma "classificação inexpressiva". Beltrame não quis comentar.

A Adepol protestou ainda contra a retirada da Draco da Polícia Civil.

Fonte: Folha de S. Paulo

NOTA DA MARI:

Nunca escondi minha admiração por Beltrame. Não sei com base em que esses questionamentos estão sendo feitos, mas, a meu ver, isso é retaliação pelos vários criminosos fardados que ele demitiu. 

Continuo dizendo que o Brasil precisa de mais José Beltrames no poder.

Para quem tiver a curiosidade de saber um pouco do que falo seguem os links.


Abçs!

14 fevereiro 2011

PF passa a emitir novo passaporte com chip.



O passaporte com chip para gravação de dados passou a ser emitido em todo o Brasil, segundo informações divulgadas pela PF (Polícia Federal) na sexta-feira (11). O documento começou a ser emitido em dezembro, em fase de testes, apenas em Brasília e Goiânia, até ser estendido para o restante do país a partir de janeiro.

O novo passaporte armazena dados biográficos (nome, data de nascimento, sexo etc.) e biométricos (impressões digitais e fotografia do rosto) com mais qualidade e segurança, de acordo com a PF.





O documento possui também marca dágua, fundo invisível, fio de segurança, fio de costura composto por três fios de alta qualidade e tinta opticamente variável.

A previsão é que, no futuro, o passaporte com chip seja utilizado em portais automatizados de controle de migração.

Quem possuir o passaporte no modelo antigo, sem chip, pode utilizá-lo até o expirar o prazo de validade previsto no documento.

Fonte: Folha Online

10 fevereiro 2011

O homem por trás do Policiall!


Toda força policial é representada por 3 coisas em especial: seu emblema, seu distintivo e sua farda. Cada um tem uma forma, cor, símbolo e etc, mas há algo que todas têm em comum: Há um humano por trás desses símbolos.

Humano sim! Sempre que as pessoas pensam em policia, já vislumbram um troglodita com o pé na porta, ou o super-homem que prende 3 Fernandinho "Beira-mar" com uma mão nas costas. Há quem enxergue um homem gordo, de óculos escuros de mão estendida à espera do “$eu”. Mas a verdade é que poucos enxergam o humano que está por trás da farda. 

O humano que transpira, que sente medo, que 
na hora do embate pensa nos filhos em casa, que tem dor de barriga, dor de cabeça, fome e sangra quando atingido pelo inimigo.

Aquele que na hora do barata voa, do corre deita, sente o coração batendo forte nas artérias do pescoço e o gosto amargo da responsabilidade na boca, quando mira sua arma na direção de outro humano, que insiste em tentar lhe atingir.

O indivíduo que repete seus valores e juramentos na cabeça quando recolhe os milhares de reais que a policia apreendeu na casa de um traficante lembrado-se de sua função ali, ainda que ciente de que  suas contas 
em casa estão atrasadas e, por isso, aquela viagem de férias não vai rolar.

O policial se cansa, se frustra, se irrita, chora, sofre, tem virose, tem fadiga e ainda por cima, carrega nos ombros a responsabilidade de ser policial, que tem a desvantagem de lidar com crimes horrendos. Cruza com criminosos que os levam a desacreditar na humanidade e a desejar fazer justiça com as próprias mãos. Mas mesmo assim, sabem que são todos igualmente humanos, portanto devem levar os animais para o juiz dar a sentença, mesmo sabendo que muitos não serão condenados.

Para as pessoas comuns a policia é uma farda, um distintivo, um símbolo, não vêm que Ela é feita de pessoas. Para a maioria, o policial é uma “coisa” que não dorme, não come e não tem medo e nem amor por nada. É bem verdade que existem sim, os policiais que não são dignos de vestir a farda, mas não são a maioria e, acima de tudo, não são só policiais, são HUMANOS antes de mais nada.

Quando um humano fardado comete um delito, a noticia no jornal não fala do indivíduo, fala da corporação, como se aquele ser fosse representante de toda uma instituição e suas ações refletissem a hombridade e caráter do órgão. 

A pessoa veste a farda, não o contrário! Um símbolo não faz ninguém mais ou menos humano e também não nos torna imortais.

Admiro e respeito o humano que existe por de trás da farda!



"Se queres conhecer o verdadeiro caráter de um homem dê-lhe poder." A. Lincon

Arrocho fiscal suspende nomeações e concursos

A ministra do Planejamento, Miriam Belchior, anunciou nesta quarta-feira um conjunto de medidas para reduzir os gastos de custeio da máquina pública, determinadas pela presidente Dilma Rousseff. Até que o governo defina com os ministérios que áreas das pastas sofrerão cortes, que somam R$ 50 bilhões, as nomeações de aprovados em concursos e contratação de pessoas para cargos de confiança estão suspensas. 

"Cargos, contrações e nomeações são despesas administrativas. Uma parte disso é despesa fim. Mas, a princípio, as chamadas estão suspensas pela verificação da real necessidade de chamada em 2011, mas serão analisadas caso a caso. A realização de novos concursos também está suspensa", disse. 

Miriam Belchior também anunciou uma auditoria nas folhas de pagamento do governo federal, que será feita pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), que tem contrato anual com o Ministério da Fazenda no valor de R$ 30 milhões. 

Um decreto da presidente será publicado na semana que vem reduzindo os gastos administrativos compulsoriamente. Será cortada metade do valor gasto com diárias e passagens. A outra metade dependerá de autorização expressa dos ministros ou secretários-executivos das pastas. 

Também está proibida a aquisição e reforma de imóveis e a compra de carros para uso administrativo. "Claro que isso não se aplica a ambulâncias. Isso se aplica àqueles carros usados para levar ministros, secretários. Isso está proibido para este ano", afirmou Miriam Belchior. 

Os gastos com água, luz, telefone e material de consumo sofrerão uma redução a partir de um projeto-piloto implantando no Ministério da Fazenda e em outros cinco ministérios. "A ideia é estender para outros ministérios e depois para órgãos da administração indireta (como as agências reguladoras)", afirmou a ministra do Planejamento. 

Segundo Miriam Belchior, o governo também está elaborando ferramentas para impedir o acúmulo ilegal de aposentadorias e cargos. O governo cruzou os dados da Previdência Social e do sistema de pessoal federal com os bancos de informações de 13 Estados para identificar essas situações.



NOTA DA MARI:


Agora será que alguém poderia me dar uma boa notícia, por favor!

07 fevereiro 2011

Mas por quê a Policia Federal?



Mesa de buteco, mesa de almoço... Em fim, o lugar pouco importa. Sempre que alguém toca no assunto concurso para Policia Federal tem um infeliz, sem mãe que me pergunta: MAS POR QUE POLICIA?

 Ai...fala sério! 

Cansei de explicar por que quero ser policia; por que invisto em um concurso que não tem previsão concreta de acontecer; por que não quero a Receita ou o Banco do Brasil; principalmente, por que tem que ser a Policia Federal e não a Civil ou a Militar.

Aff...Cansei... 

Quem ai cansou dessa pergunta ensaiada levanta a mão...Sala cheia né, pois é!
Ô mala! E a fatídica pergunta nunca vem sozinha. Ela sempre gera discursos, que por sua vez, geram mais perguntas e por mais que tente, suas respostas sempre geram espanto e, claro, não poderia faltar, variações das alcunhas de doida, loca e por ai vai.

Carai...Alguém já imaginou Picasso explicando o cubismo, ou Da Vinci justificando por que não escolheu entre ser pintor ou engenheiro? 

Cacete... é simples: VOCAÇÃO, PAIXÃO, DESEJO.

Mas, graças a Murfy, geralmente o sem mãe que pergunta, não entende o que isso tem a ver com andar armado e pegar bandido.

No caso caríssimos leitores, encontrei uma simples, direta e brilhante solução pra nós:  
Não vamos explicar!! Gostaram? É simples assim.

Não temos que explicar às pessoas porque somos assim...
Para os que nos compreendem, nenhuma explicação é necessária!
Para os que não nos compreendem nenhuma explicação é possível…
Como disse Sigmund Freud: "A felicidade é um problema individual. Aqui, nenhum conselho é válido. Cada um deve procurar, por si, tornar-se feliz. "
Nesse caso, se o tal órfão de pai, mãe e parteira ainda não tiver entendido... diz assim: 
Me deixa que eu tenho problema! Rsrsrsrsrsrs